Seu cabelo

O cabelo humano é formado basicamente de três principais estruturas, a cutícula, o córtex e a medula. A cutícula é a parte mais externa da fibra capilar. Ela tem a função de proteger o cabelo das agressões do ambiente externo como o sol, o vento e a poluição e de hábitos rotineiros, como pentear e escovar diariamente os fios. Outra função da cutícula é trocar pequenas moléculas com o ambiente externo, como a água e o oxigênio do ar, o que garante mais saúde aos fios. Quando ela está com seu funcionamento saudável, essas trocas são feitas de maneira natural e orgânica. Por outro lado, se há perda ou lixiviação (desgaste) dessa estrutura mais externa, fato que acontece após o uso de processos químicos, como descoloração, coloração e alisamento, essas trocas sofrem alterações.

As figuras (a) e (b) de nano microscopia (microscopia eletrônica de varredura – MEV) ilustram a estrutura cuticular. A figura (c) ilustra, em detalhe, um microcanalículo da cutícula, por onde entram e saem, naturalmente as moléculas de água

O cabelo é muito sensível à água. Quando o molhamos durante o banho, a água penetra no interior da fibra e fica ali, fracamente ligada. Quando o secamos, essa água sai da mesma forma. Esse mecanismo de entrada e saída de água é realizado por meio de micro canalículos (pequenos canais, veja figura c) que existem naturalmente na cutícula. É por isso que em dias muito úmidos, ele tende a ficar mais enrolado, pois a água que entra em seu interior interage com a queratina, fazendo pontes de hidrogênio, que se reflete macroscopicamente, na forma enrolada.

Quando há modificações cuticulares, todas essas estruturas são alteradas e perdem parte ou toda sua função. O cabelo fica, então, desprotegido e moléculas maiores passam a entrar e sair dos fios livremente, podendo agredir elementos internos importantes. A água estrutural, responsável pela hidratação, é uma das que passa a ser perdida. Como consequência direta, as madeixas começam a ressecar mais facilmente, e os tratamentos cosméticos de nutrição e hidratação duram menos tempo.

O córtex representa a maior parte da fibra capilar e é constituído pela matriz e pelas macrofibrilas. Ele é o responsável pelas propriedades físicas do cabelo como a cor, a força e a maleabilidade. Também é responsável pelas propriedades químicas do cabelo como a quantidade relativa de proteína, aminoácidos, lipídeos e água estrutural (ligada à queratina).

            As macrofibrilas (ou células corticais) são formadas por um conjunto de microfibrilas, que por sua vez são agrupamentos de fibrilas. Finalmente, as fibrilas são formadas pela queratina, a proteína que dá força aos cabelos.

            A queratina é uma proteína formada por um conjunto de aminoácidos. O aminoácido mais abundante da queratina é a cistina, responsável pelas pontes de enxofre (S-S) e pela criação do encaracolado do cabelo.

Estrutura tridimensional da cistina, em que: H, átomo de hidrogênio; C, átomo de carbono; O, átomo de oxigênio; N, átomo de nitrogênio e; S, átomo de enxofre

A figura de nano microscopia ilustra um cabelo virgem, isto é, um cabelo que não foi modificado nem quimicamente e nem fisicamente

Todas essas estruturas hierárquicas constituem a estrutura da fibra do cabelo. A matriz que envolve as macrofibrilas e mantém essas estruturas unidas é rica em cistina e abriga a melanina, o pigmento natural da fibra e responsável pela cor dos cabelos. É a matriz que confere maleabilidade ao cabelo e também é nela que estão situados os lipídeos.

            Portanto, quando essas estruturas hierárquicas são modificadas quimicamente por processos de descoloração ou de alisamento, por exemplo, a melanina, a queratina e a cistina ou desaparecem ou diminuem, provocando uma mudança química e física nos cabelos. Isso faz com que o grau de hidratação, força, maleabilidade, grossura, oleosidade, porosidade, oxidação e pH sejam alterados.

O que é pH?

O pH (potencial Hidrogeniônico) é um índice que indica a acidez, neutralidade ou basicidade de um meio qualquer. A escala do pH pode variar de 0 até 14, sendo que o pH igual a 7 representa que essa substância é neutra. Abaixo de 7 a substância é ácida e acima de 7 ela é básica (alcalina). O máximo de acidez é 0 e o máximo de basicidade é 14.

Qual a relação do pH com seu cabelo?

O pH do cabelo virgem é levemente ácido, em torno de 6. O cabelo virgem é aquele que nunca passou por tratamentos químicos como a coloração, a descoloração e/ou alisamento e nem tratamentos físicos, ou seja, que nunca recebeu escovação com temperatura, chapinha e cacheador. Quando modificações químicas são realizadas, o pH natural do cabelo é alterado, tanto externamente como internamente. Geralmente a descoloração e a coloração deixam o cabelo com pH mais ácido.

É importante saber que produtos cosméticos com pH abaixo de 6 fecham as cutículas e acima de 6 abrem. Quando as cutículas estão abertas, elas ficam mais vulneráveis ao desgaste e a água e os nutrientes importantes, que estão no interior do fio, saem com facilidade. Cutículas fechadas denotam saúde capilar.

O que significa o teste de core capilar? 

A força, integridade e maleabilidade do cabelo pode ser medida por um teste único de core capilar. Nesse teste identifica-se as condições internas do cabelo, isto é, sua força, integridade da queratina, maleabilidade e grau de hidratação. Nesse teste um fio de cabelo é tracionado (puxado) nas suas duas extremidades em um equipamento de tração mecânica e a força de tração e a deformação que o fio sofre é registrada durante o ensaio (veja no gráfico a curva resultante).

Aqui vale dizer que quando o cabelo está completamente molhado, com 100% de umidade, ele possui uma resistência à tração cerca de 50% menor do que se estivesse seco. Por isso, é preciso mais cuidado ao pentear o cabelo molhado após a lavagem, já que ele resiste muito menos à escovação e pode se quebrar. É também por isso que não se deve prendê-lo, com elástico, quando ainda molhado, em razão da maior facilidade de quebra

Para quem seca e faz escovação após a lavagem, atenção: quanto mais seco o cabelo estiver antes de começar a escovação, melhor!

O cabelo quimicamente tratado em procedimentos, como coloração, descoloração e alisamento, tem sua força, maleabilidade e integridade interna diminuída em maior ou menor grau, dependendo do tipo de cabelo (grosso, fino, mais ou menos encaracolado,…). Cada cabelo possui individualidades únicas.

Por esse motivo, os fabricantes se esmeram em lançar fórmulas de shampoos, condicionadores e máscaras de tratamento com ativos cosméticos específicos e substantivos ao fio, com o objetivo de melhorar a força, maleabilidade e porosidade dos cabelos. É importante que esses ativos sejam constantemente repostos, pois eles entram e saem da fibra com os processos de lavagem.

A medida do alongamento total do cabelo também é uma referência da sua integridade física. Quando esticamos um fio de um cabelo virgem, por exemplo, ele pode se alongar normalmente, entre 70% e 100% do seu tamanho. Esse amplo alongamento ocorre porque as ligações da queratina e da matriz estão íntegras. É uma medida indireta da maleabilidade do fio. Por outro lado, as madeixas que já receberam intervenções químicas, como o uso de formol, alongam-se em torno de 50% menos, pois o formol endurece a fibra capilar. Já com a descoloração, observa-se o efeito contrário, o fio alonga-se mais e fica mais maleável. Ou seja, as intervenções químicas modificam a maleabilidade natural do cabelo. A maleabilidade também modifica-se com a hidratação da fibra do cabelo, que tende a se deformar menos quando está ressecado. Assim, pode-se estimar o grau de hidratação do cabelo por esse parâmetro.

Curva resultante do ensaio de core capilar realizado em um equipamento de resistência mecânica

No gráfico, a análise da curva fornece informações sobre a integridade interna dos fios capilares:

  • a primeira região (0A) é denominada região plástica. Nela, se a força for retirada, o fio retorna ao seu tamanho original, sem sofrer nenhuma deformação permanente, como se fosse uma mola. Por isso, quando estiver escovando os fios, coloque força moderada para que ele não sofra uma deformação permanente.
  • na segunda região (AB), o fio continua a ser tracionado e sofre uma deformação permanente (∆E) se a força é retirada no ponto D, por exemplo. Essa região é denominada plástica.
  • na última região BC, a fibra capilar continua a se deformar plasticamente, ou seja, de forma permanente, mas a taxa de aumento da força é maior do que na região AB. Esse fato é decorrente de uma transformação da queratina de α para β. A fase β da queratina tem uma estrutura mais alongada que a fase α.
  • no ponto C ocorre a ruptura do fio, pois é o ponto máximo de deformação e força que ele consegue suportar.

Assim, com esse teste é possível medir-se diferentes características do fio: o grau de integridade das estruturas internas (córtex), a força, elasticidade, maleabilidade, integridade da queratina e hidratação